Follow:
Cinema Francês

Nouvelle Vague “A Nova Onda”


Nouvelle Vague(Le Cinéma Français)
A Nova Onda

Alguém que goste muito de cinema com certeza já ouviu falar na “Nouvelle Vague”, um movimento nascido na França no fim dos anos 50 se extendendo toda a década de 60. A Nouvelle Vague foi um movimento artístico do cinema francês que contestou várias coisas da época. A expressão foi lançada por Françoise Giroud em 1958, na revista L’Express ao fazer referência a novos cineastas franceses.

Os primeiros filmes eram caracterizados pela juventude dos seus autores, unidos por uma vontade comum de transgredir as regras normalmente aceitas para o cinema comercial. O marco inicial do movimento se dera com o filme “Le Beau Serge” traduzido para o português como “Nas Garras do Vício” do diretor Claude Chabrol. Logo depois, surgiram os clássicos “A Bout de Souflle” de 1959, “O Acossado” de Jean-Luc Godard, “Les Quatres Cents Coups” de 1959, “Os Incompreendidos” de François Truffaut.

Os cineastas mais famosos desse movimento são Jean-Luc Godard, François Truffaut, Alain Resnais, Jacques Rivette, Claude Chabrol e Eric Rohmer, sendo a maioria críticos de cinema da antológica revista “Cahiers du Cinéma”, Cadernos de Cinema. Os autores desta fase detestavam muito dos grandes sucessos caseiros do cinema francês e elevavam os mestres do film noir americano. Alguns se modificaram seguindo caminhos mais acadêmicos outros continuaram com o seu cinema difícil, como é o caso de Godard, que muitas vezes se tornava mais pretensioso e mais além do experimental. Já Truffaut segue pelo caminho do classicismo atraindo uma grande quantidade de admiradores. Alains Resnais se consolida como um guru respeitável autor de alguns dos mais importantes filmes como “Hiroshima, Mon Amour”, de 1959, “O Último Ano em Marienbad” entre outros.

A Nouvelle Vague influenciou toda a cinematografia mundial, desde o Brasil com o “Cinema Novo”, até mesmo nos EUA com cineastas como Francis Ford Coppola, Brian de Palma e Martin Scorsese prolongando-se a influência do final dos anos 60 até os anos 70. Os cineastas dessa “Nova Onda” incorporaram estilos e posturas da Cultura Pop ao Teatro Épico, a textos de Honoré de Balzac, Manet e Marx, além de questionamentos novos como a realidade sexual, o erotismo e o romantismo.

Leia também:

Previous Post Next Post

1 Comment

  • Reply Maria Flávia

    Os clássicos de cada autor da Nouvelle Vague, vale a pena assistir..

    Os incompreendidos “Les 400 cents Coups” – Trauffaut
    Acossado “A Borde de Souffle” – Jean-Luc Godard
    “Hiroshima Mon Amour” – Alain Resnais
    Os Primos “Les Cousins” – Claude Chabrol
    O Signo do Leão “Les Signe Du Lion” – Eric Rohmer
    Paris nos Pertence “Paris Nous Appartient” – Jaques Rivette

    12 de fevereiro de 2009 at 17:10
  • Leave a Reply

    Loading Facebook Comments ...
    %d blogueiros gostam disto: